terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Espírito do Natal? Sei...

O NATAL TEM SEMPRE AQUELE AR DE SOLIDARIEDADE, de coisas boas. Na televisão, só passam programas natalinos, liquidações de Natal que cortam 30% do preço depois de aumentarem 50%, e, óbvio, o especial do Roberto Carlos (alguns anos atrás, acrescentaríamos E.T. à lista). Nessa época, passamos o tempo falando sobre como as pessoas se tornam melhores, bondosas, invadidas pelo espírito natalino e o milagre do Natal.

Bom, sobre esse espírito natalino, deixe eu contar uma coisa pra vocês:

É mentira.

Sério, se você duvida de mim, deixe-se invadir por esse espírito natalino e amanhã de manhã, dia 24, vá a um shopping center (que só deve ficar aberto até as 12 horas, então cuidado), e compre um brinquedo para uma criança de rua; um brinquedo qualquer, nem precisa ser caro. Ela achará fantástico.

Hmm... "Gostei da idéia, mas tem que ser em um shopping?" É, certamente você pegou meu ponto. Nem precisa ser um shopping fechado, estilo Iguatemi. Basta um centro qualquer de compras: centro da cidade, open malls. A Brás de Aguiar em Belém, ou a Monsenhor Tabosa em Fortaleza (ou a 25 de março em São Paulo!). Vai lá e sinto todo o espírito natalino no ar...

Talvez esteja já pensando que acharia muito espírito natalino no ar se você conseguisse RESPIRÁ-LO. Sabe aquela história que o capeta azeda tudo que Deus criou? Pois é, foi idéia do Capeta dar presente de Natal, que depois ele aperfeiçoou criando o "desconto".

Começa tudo com o trânsito. Hoje, achei uma vaga em um estacionamento caro e deixei o carro lá. Simples: prefiro andar um raio de 10 quarteirões procurando as lojas que ir de carro. É, eu canso mais, e até corro o risco de ser assaltado, mas acredite: é muito mais rápido! Filas de dois carros se transformam em quatro, sinais e semáforos param de funcionar (eles continuam acesos, mas verde passa a significar FIQUE PARADO e vermelho significa AGUENTE AS BUZINAS POR ESTAR FECHANDO O CRUZAMENTO. Os espaços para estacionamento minguando cada vez mais, vemos as pessoas baixando o banco e aumentando o ar condicionado, porque sabem que vão ficar ali um bocado de tempo...

Onde os pacotes são feitos são uma graça. Passei em uma sapataria hoje, e tive uma séria impressão que os consumistas devem ficar presos naquela loja, se terminarem indo pro Inferno. Aquela pilha de caixas, velhas gritando pedindo para colocar a caixa preta com o papel de presente azul e a verde com papel branco pra menina... ou era o contrário? Ou errei a cor da caixa? Ah, tudo bem, depois eles vão vir trocar mesmo. E pagar a diferença, provavelmente, mas deixe pra lá!

As lojas de brinquedo também são um caso a parte para se olhar. Sentei na frente de uma sexta passada enquanto tomava um sundae do McDonald's (nota: consegui meu sorvete no terceiro quiosque que parei, porque em um tinha acabado o sorvete de baunilha, no outro a calda de chocolate... por que raios não podia ter acabado a castanha, que não me faz falta?!?). As mães e pais procuram aquele brinquedo que já acabou, ou se degladeiam (seja lá como se escreve isso) pelos que sobram. Nada mais ridículo que duas mães brigando pra ver quem leva a última unidade "de um desses transformer", que ela não entende porque o filho quer se não é "bonito"... (Quando uma mãe recusou dar para a criança um desses, reparei que custava mais ou menos centro e cinquenta reais... seria bonito sinônimo de barato na última reforma da língua portuguesa?)

Sei que pareço rabugento e cínico ao escrever isso, mas você deve perceber que acho uma das maiores demonstrações de senso de humor que posso dar. Porque, depois de uma tarde nessa bagunça, eu não matei ninguém. Sério! Nem o cara do meu cachorro-quente-de-carrocinha preferido (sempre preterido na Veja Fortaleza, veja que injustiça) quando disse que acabou o pão...

Talvez, afinal de contas, o tal do espírito do Natal permita as pessoas ficarem em situações extremas e ainda sair vivas e sem acusações de homicídio. E sim, ir ao Shopping no dia 23 É uma situação extrema... E ainda penso que pessoas que matarem quem está tentando roubar o último brinquedo que seu filho de 7 anos pediu ao Papai Noel deveriam ser consideradas inimputáveis.

Inté,

A.N.

Um comentário:

Do Dito e do Dizer disse...

adorei. eu assinaria esse post de olhos vendados. eu tb fiz um posto sobre o espírito do natal. depois dá uma lida.
eu não vou te desejar feliz nata tá? tenho que guardar forças pra forçar o sorriso e dizer feliz natal pra mil pessoas amanhã. aff