sábado, 27 de dezembro de 2008

Um bonito texto...

UMA DAS COISAS LEGAIS DA TECNOLOGIA É JOGAR UM CD QUE VOCÊ NUNCA OUVIU TODO EM UM MP3 E COLOCAR PRA RODAR. Às vezes, saem umas músicas que você simplesmente não conhecia, ou melhor ainda, não esperava.

Essa música é uma delas... ainda que seja mais falada que cantada.

Inté,

A. N.


Vênus

Paulinho Moska

Composição: Paulinho Moska

Quando a sua voz me falou: vamos
Eu vi deus sentado em seu trono: vênus
A religião que nós dois inventamos
Merece um definitivo talvez... pelo menos

Perceba que o que me configura
É sempre essa beleza
Que jorra do seu jeito de olhar
Do seu jeito de dar amor
Me dar amor

Não te dei nada que seja impuro
No futuro também vai ser assim
Se hoje amanheceu um dia escuro
Foi porque capturei o sol pra mim

Perceba que o que te configura
É sempre essa beleza
Que jorra do meu jeito de olhar
Do meu jeito de dar amor
Te dar amor

Perceba que o que nos configura
É sempre essa beleza
Que jorra do nosso jeito de olhar
Nosso jeito de dar amor
Nos dar amor

Não falo do amor romântico,
Aquelas paixões meladas de tristeza e sofrimento.
Relações de dependência e submissão, paixões tristes.
Algumas pessoas confundem isso com amor.
Chamam de amor esse querer escravo,
E pensam que o amor é alguma coisa
Que pode ser definida, explicada, entendida, julgada.
Pensam que o amor já estava pronto, formatado, inteiro,
Antes de ser experimentado.
Mas é exatamente o oposto, para mim, que o amor manifesta.
A virtude do amor é sua capacidade potencial de ser construído, inventado e modificado.
O amor está em movimento eterno, em velocidade infinita.
O amor é um móbile.
Como fotografá-lo?
Como percebê-lo?
Como se deixar sê-lo?
E como impedir que a imagem sedentária e cansada do amor nos domine?
Minha resposta? o amor é o desconhecido.
Mesmo depois de uma vida inteira de amores,
O amor será sempre o desconhecido,
A força luminosa que ao mesmo tempo cega e nos dá uma nova visão.
A imagem que eu tenho do amor é a de um ser em mutação.
O amor quer ser interferido, quer ser violado,
Quer ser transformado a cada instante.

A vida do amor depende dessa interferência.
A morte do amor é quando, diante do seu labirinto,
Decidimos caminhar pela estrada reta.
Ele nos oferece seus oceanos de mares revoltos e profundos,
E nós preferimos o leito de um rio, com início, meio e fim.
Não, não podemos subestimar o amor não podemos castrá-lo.

O amor não é orgânico.
Não é meu coração que sente o amor.
É a minha alma que o saboreia.
Não é no meu sangue que ele ferve.
O amor faz sua fogueira dionisíaca no meu espírito.
Sua força se mistura com a minha
E nossas pequenas fagulhas ecoam pelo céu
Como se fossem novas estrelas recém-nascidas.
O amor brilha. como uma aurora colorida e misteriosa,
Como um crepúsculo inundado de beleza e despedida,
O amor grita seu silêncio e nos dá sua música.
Nós dançamos sua felicidade em delírio
Porque somos o alimento preferido do amor,
Se estivermos também a devorá-lo.

O amor, eu não conheço.
E é exatamente por isso que o desejo e me jogo do seu abismo,
Me aventurando ao seu encontro.
A vida só existe quando o amor a navega.
Morrer de amor é a substância de que a vida é feita.
Ou melhor, só se vive no amor.
E a língua do amor é a língua que eu falo e escuto.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Espírito do Natal? Sei...

O NATAL TEM SEMPRE AQUELE AR DE SOLIDARIEDADE, de coisas boas. Na televisão, só passam programas natalinos, liquidações de Natal que cortam 30% do preço depois de aumentarem 50%, e, óbvio, o especial do Roberto Carlos (alguns anos atrás, acrescentaríamos E.T. à lista). Nessa época, passamos o tempo falando sobre como as pessoas se tornam melhores, bondosas, invadidas pelo espírito natalino e o milagre do Natal.

Bom, sobre esse espírito natalino, deixe eu contar uma coisa pra vocês:

É mentira.

Sério, se você duvida de mim, deixe-se invadir por esse espírito natalino e amanhã de manhã, dia 24, vá a um shopping center (que só deve ficar aberto até as 12 horas, então cuidado), e compre um brinquedo para uma criança de rua; um brinquedo qualquer, nem precisa ser caro. Ela achará fantástico.

Hmm... "Gostei da idéia, mas tem que ser em um shopping?" É, certamente você pegou meu ponto. Nem precisa ser um shopping fechado, estilo Iguatemi. Basta um centro qualquer de compras: centro da cidade, open malls. A Brás de Aguiar em Belém, ou a Monsenhor Tabosa em Fortaleza (ou a 25 de março em São Paulo!). Vai lá e sinto todo o espírito natalino no ar...

Talvez esteja já pensando que acharia muito espírito natalino no ar se você conseguisse RESPIRÁ-LO. Sabe aquela história que o capeta azeda tudo que Deus criou? Pois é, foi idéia do Capeta dar presente de Natal, que depois ele aperfeiçoou criando o "desconto".

Começa tudo com o trânsito. Hoje, achei uma vaga em um estacionamento caro e deixei o carro lá. Simples: prefiro andar um raio de 10 quarteirões procurando as lojas que ir de carro. É, eu canso mais, e até corro o risco de ser assaltado, mas acredite: é muito mais rápido! Filas de dois carros se transformam em quatro, sinais e semáforos param de funcionar (eles continuam acesos, mas verde passa a significar FIQUE PARADO e vermelho significa AGUENTE AS BUZINAS POR ESTAR FECHANDO O CRUZAMENTO. Os espaços para estacionamento minguando cada vez mais, vemos as pessoas baixando o banco e aumentando o ar condicionado, porque sabem que vão ficar ali um bocado de tempo...

Onde os pacotes são feitos são uma graça. Passei em uma sapataria hoje, e tive uma séria impressão que os consumistas devem ficar presos naquela loja, se terminarem indo pro Inferno. Aquela pilha de caixas, velhas gritando pedindo para colocar a caixa preta com o papel de presente azul e a verde com papel branco pra menina... ou era o contrário? Ou errei a cor da caixa? Ah, tudo bem, depois eles vão vir trocar mesmo. E pagar a diferença, provavelmente, mas deixe pra lá!

As lojas de brinquedo também são um caso a parte para se olhar. Sentei na frente de uma sexta passada enquanto tomava um sundae do McDonald's (nota: consegui meu sorvete no terceiro quiosque que parei, porque em um tinha acabado o sorvete de baunilha, no outro a calda de chocolate... por que raios não podia ter acabado a castanha, que não me faz falta?!?). As mães e pais procuram aquele brinquedo que já acabou, ou se degladeiam (seja lá como se escreve isso) pelos que sobram. Nada mais ridículo que duas mães brigando pra ver quem leva a última unidade "de um desses transformer", que ela não entende porque o filho quer se não é "bonito"... (Quando uma mãe recusou dar para a criança um desses, reparei que custava mais ou menos centro e cinquenta reais... seria bonito sinônimo de barato na última reforma da língua portuguesa?)

Sei que pareço rabugento e cínico ao escrever isso, mas você deve perceber que acho uma das maiores demonstrações de senso de humor que posso dar. Porque, depois de uma tarde nessa bagunça, eu não matei ninguém. Sério! Nem o cara do meu cachorro-quente-de-carrocinha preferido (sempre preterido na Veja Fortaleza, veja que injustiça) quando disse que acabou o pão...

Talvez, afinal de contas, o tal do espírito do Natal permita as pessoas ficarem em situações extremas e ainda sair vivas e sem acusações de homicídio. E sim, ir ao Shopping no dia 23 É uma situação extrema... E ainda penso que pessoas que matarem quem está tentando roubar o último brinquedo que seu filho de 7 anos pediu ao Papai Noel deveriam ser consideradas inimputáveis.

Inté,

A.N.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Tá voltando

ESTÃO VOLTANDO.


Algumas coisas ganham uma outra dimensão quando feitas em grupo. Reunir a galera toda para assistir juntos, dividir o entusiasmo, a surpresa, e em algumas vezes a decepção, é uma coisa realmente única...

Enfim. A partir de 21 de Janeiro. Isso significa, 22 de janeiro, que comecem as reuniões para assistir todos juntos um dos melhores seriados de ficção... LORTE.

Tem mais graça o Cassiano falando.

Inté!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

OLHA, já vi muita coisa estranha no mundo do futebol... mas essa cena merece o título de cena mais inusitada dos últimos tempos!



Ah, fala sério... bunda-lelê pra atrapalhar o goleiro???

Eu digo é valha...

Inté,

A.N.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

No Gtalk, qualquer dia

SIM, às vezes, não temos o que fazer...


Felipe: ei cara, tá no lab?
eu: opa
to sim
Felipe: pode fazer um fazer?
eu: claro
Felipe: deixar a camera carregando
eu: fazer já é fazer um fazer... como um fazer poderia ser um não fazer?
eu: seria como pedir para ser um não ser...
Felipe: ........................
(sigh)
Felipe: ou então pedir para um preto ser branco
como o preto é a ausencia de cor e o branco todas elas juntos
Felipe: logo vc nao poderia nunca ser um nem outro
eu: isso
Felipe: pois vc seria o tudo e o nada, o alpha e o omega
eu: ou pedir para que nós parássemos de falar besteira
eu: faz parte da natureza, é uma concepção ILógica

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Coisa de Criança

MORO AO LADO DE UMA ESCOLA, e de vez em quando dá pra escutar a criançada daqui. Ri muito quando, perto do sete de setembro, escutei umas três vezes seguidas o coro de crianças cantando o hino nacional, parecendo que competiam pra ver quem gritava mais.

Mas esses dias, um som divertidissimo veio até minha janela:


(Dezenas de crianças juntas)

EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEeeeeee...aaaaaaAAAAAAAAAAAHHHH!

--- Isso quando a energia aqui acabou e, dois segundos depois, voltou.

Alegria de criança também dura pouco.

Inté,

A.N.

Quando erram é bom demais...

TEM GENTE QUE ACHA QUE SABE DEMAIS. Em economia, é engraçado, em especial em épocas do que chamam de Crise Financeira. Mas em arte...

Algumas das críticas e profecias de coisas que não dariam certo. Retirado do Desventuras Sem Sequência, postado por Antônio Ugá.

Inté!




Esta lista vai mostrar profecias e citações que se tornaram verdadeiros fiascos sobre o mundo das Artes e Entretenimento.

10.“Não sabe representar nem cantar e é careca. Dança um pouco”
Executivo da Metro, a respeito de Fred Astaire – 1928

9. “Esse rapaz não tem o menor talento. Diga a ele para desistir de pintar”
Édouard Manet, pintor francês, referindo-se a Pierre-Auguste Renoir, famoso pintor impressionista francês

8. “É impossível que os nobres órgãos da fala humana sejam substituídos por um insensível e ignóbil metal”
Jean Boillaud – Academia Francesa de Ciências – A respeito do fonógrafo de Thomas Edison – 1879

7. “O cinema sonoro é uma novidade que durará uma temporada”
Revista American Cinematographer -1900

6. “As composições de Bach são desprovidas de beleza, de harmonia e de claridade melódica”
Johann Adolf Cheibe, Compositro e crítico de música alemão – 1773

5. “A televisão não dará certo. As pessoas terão de ficar olhando sua tela, e a família norte-americana média não tem tempo para isso”
The New York Times – 18 de abril de 1939, na apresentação do protótipo de um aparelho de TV

4.“...E o vento levou vai ser o maior fracasso da história de Hollywood.”
Gary Cooper - Ator de cinema norte-americano – 1938

3. “Uma orgia de sons vulgares”
Louis Spohr – Violinista e compositor alemão comentando a primeira apresentação da 5ª sinfonia de Beethoven – 1808

2. “Não gostamos do som de vocês. Além disso, conjuntos de guitarras não tem futuro”
Executivo da Gravadora Decca – descartando-se dos Beatles – 1962

1. “Até julho sai de moda”
Revista Variety – Sobre o Rock’r’roll – março de 1956

domingo, 2 de novembro de 2008

E eles foram!

SÓ PARA DEIXA REGISTRADA A PASSAGEM DOS AMIGOS DA ENVERSO PELO PROGRAMA DO JÔ.

É sempre um bom sinal quando você consegue ficar feliz com o sucesso dos outros...

Mas, me permitindo um momento de ser coruja: o melhor é o Mestrim na entrevista!


Videos do Youtube.








Bastidores:

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Propaganda

AMANHÃ, todo mundo indo dormir de madrugada!

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Eu Quero!

VINHO NAS TORNEIRAS? Eu quero!!!

=====================

 

 
 
Vinho branco
Milhares se reuniram ao redor da Fonte no centro da cidade
Moradores da cidade italiana de Marino, na região central do país, foram surpreendidos com o que parecia ser um milagre: das torneiras de suas casas começou a jorrar vinho branco, em vez de água.

O inusitado incidente ocorreu no último domingo, durante a abertura da 84ª edição da Festa da Uva de Marino – a mais famosa festividade do estilo no país.

Tradicionalmente, para marcar o início da Festa, milhares de moradores fazem uma contagem regressiva ao redor da Fonte dei Quattro Mori, no centro da cidade, para ver a "transformação da água em vinho", quando a fonte passa a jorrar, ao invés de água, uma boa qualidade de vinho branco.

Todos os anos, a Fonte é abastecida com barris de três mil litros de vinho para garantir o sucesso das celebrações. No entanto, os responsáveis pelo abastecimento das fontes de água espalhadas pelas ruas da cidade giraram a alavanca errada no momento da abertura da Festa e, em vez de enviarem vinho para a Fonte, mandaram a bebida para casas da cidade.

'Milagre'

Algumas donas de casa de Marino – que possui cerca de 40 mil habitantes – estranharam o odor familiar que saía das torneiras e foram as primeiras a notar que não se tratava de água.

Fonte dei Quattro Mori
O vinho jorrou da fonte depois de dez minutos

Uma moradora estranhou o cheiro quando limpava o chão de sua casa. Mas não reclamou, porque considerou o odor agradável. O mesmo ocorreu em outros condomínios.

Muitos acreditaram se tratar de um milagre da Virgem do Rosário, a padroeira da Festa da Uva mais famosa da Itália.

Sem saber o que se passava nas casas, milhares de moradores, que aguardavam ansiosos a abertura das festividades com copos de plástico nas mãos, se decepcionaram ao ver jorrar da Fonte nada mais do que água.

As autoridades avisaram que o problema seria solucionado o mais rápido possível e, depois de dez minutos, o vinho começou a jorrar da Fonte normalmente.

Segundo o prefeito de Marino, Adriano Palozzi, ainda não se sabe a quantidade exata de vinho que foi desperdiçada.

O prefeito de Marino, Palozzi
O prefeito disse que o incidente foi 'simpático'

De acordo com ele, o incidente ocorreu devido a uma falha humana, que deve ser minimizada.

"Foi um erro técnico não previsto, que acabou se transformando numa coisa simpática para as pessoas", disse o prefeito à BBC Brasil.

"É uma coisa que pode acontecer, porque o trabalho é todo feito manualmente", afirmou.

"Resolvemos tudo em poucos instantes sem ocasionar qualquer problema para quem estava na festa e para quem ficou em casa naquele momento", disse Palozzi

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Aviso aos Navegantes

É COM MUITO PRAZER E ORGULHO QUE AVISO AOS INTERESSADOS QUE POSSAM TER ACESSADO O BLOG NOS ÚLTIMOS DIAS QUE O CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS EM GESTALT-TERAPIA, anunciado aqui, já está com vagas lotadas.

Quem ainda quiser, dê uma ligada para o IGC (85 3271 1692) ou mande um email ( igc@gestaltce.com.br ) e diga que quer entrar em lista de espera. Quem sabe não abrem uma nova turma?

Parabéns aos organizadores pelo sucesso. Palavras são insuficientes para dizer o quanto fico feliz em saber que as coisas foram tão bem.

Quem quiser conhecer mais do Instituto Gestalt do Ceara, entre aqui.

Inté,

A.N.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

IgNobil não é piada

OS PRÊMIOS NOBEL SÃO A MAIOR GRAÇA QUE SE PODE CONCEDER A UM CIENTISTA. Uma espécie de Oscar da Ciência, o Nobel é a consagração de que algo é um verdadeiro avanço na vida de muitas pessoas (Para mais informações sobre o prêmio Nobel, como saber que ele foi entregue a primeira vez em 1901 , veja aqui). 

Além do Nobel, em 1991, foi criado o prêmio IgNobil. Sua descrição na Wikipedia é bem informativa:

Prémio IgNobel é uma sátira do prémio Nobel e é dado a cada outono para a descoberta científica mais estranha do ano. Os prémios são entregues para honrar estudos e experiências que primeiro fazem as pessoas rir, e depois pensar. Foram criados pela revista de humor científico Annals of Improbable Research (Anais da Pesquisa Improvável), e os prémio são entregues em Harvard.

A ideia é premiar pesquisas raras, honrar a imaginação, e atrair o interesse público para a ciência, a medicina e a tecnologia.

Foram entregues pela primeira vez em Harvard em 1991, sendo a cerimónia abrilhantada pela presença de verdadeiros laureados com o prémio Nobel, que entregam o respectivo Prémio IgNobel ao vencedor, numa cerimónia que até (desde 1996) inclui uma mini-ópera, a meias entre cantores de ópera profissionais e laureados com prémios Nobel.



Na verdade, os prêmios IgNobil têm tido uma característica que é a grande confraternização entre membros de diferentes ciências. E, ainda que sejam conhecidos como piadas, os trabalhos vencedores do IgNobil frequentemente tem relevância científica verdadeira. É engraçado como, por trás de uma cortina de sátira, os prêmios na verdade tem a característica de destacar trabalhos que fazem as pessoas pensar.


Em 1995, Watanabe e cols. descobriram que era possível ensinar pombos a distinguir entre obras de Picasso e Monet. Ora, isso parece das coisas mais idiotas possíveis... mas o fato é exatamente que é. Costumamos afirmar que a arte é a mais alta expressão da cultura humana, e diferenciar estilos distintos de arte é algo que apenas o mais alto refinamento permite. Refinamento, cultura ou, quem sabe, ração pra pombos aplicada diferencialmente. 


A arte, e a capacidade de reconhecer padrões complexos, é aprendido, muitas vezes graças a um reforço diferencial de comportamentos adequados. Nada além disso. E isso é muito bem demonstrado pelo experimento de Watanabe (para conhecer o experimento completo, clique aqui).


(Na realidade, estudamos esse experimento na disciplina de Fundamentos de Análise Experimental do Comportamento na Pós. E nosso amado professor Marcus soltou a pérola: Se até um pombo, que é uma ameba com asas, é capaz de aprender crítica da arte, por que acham que reconhecer os traços de um pintor é grande coisa?)


Este ano, o IgNobil de economia foi dado para cientistas que descobriram que Strippers e dançarinas de danças exóticas ganham mais gorjeta quando estão no período fértil. Ok, pode parecer bobo. Mas... o que faz o homem decidir se dá ou não gorjeta? Seriam feromônios exalados pela mulher em período fértil (o que chamamos de Cio nos animais) que faria o homem ser mais predisposto a dar mais, em buscar de que a stripper também o faça? (troccadilho infâme, mas descritivo)


Enfim, nem todos os prêmios eu sou capaz de identificar a relevância científica. Mas, deve haver.


Em alguns casos, como vocês podem ver na lista abaixo... PRECISA HAVER. Não é possível...


Inté,


A. N.

(Com agradecimentos ao Carlos Filho, que mandou a lista... na Wikipedia, você vê  lista completa).


Você vê o prêmio Nobel como uma iniciativa muito nobre, mas não tem lá muita paciência para acompanhá-lo? Conheça o Ig Nobel, entregue desde 1991 para estudos de utilidade no mínimo discutível, mas que rendem boas gargalhadas.
 

Conheça os vencedores do Ig Nobel 2008:

Arqueologia - Os brasileiros Astolfo Gomes de Mello Araújo e José Carlos Marcelino (da Universidade de São Paulo) demonstraram como tatus podem atrapalhar  escavações em sítios arqueológicos

Biologia – Os franceses Marie-Christine Cadiergues, Christel Joubert e Michel Franc descobriram que pulgas que vivem em cães pulam mais alto do que as que vivem em gatos

Ciência cognitiva – Os japoneses Toshiyuki Nakagaki, Hiroyasu Yamada, Ryo Kobayashi, Atsushi Tero, Akio Ishiguro e Ágota Tóth descobriram que microorganismos conseguem resolver quebra-cabeças

Economia – Os norte-americanos Geoffrey Miller, Joshua Tyber e Brent Jordan descobriram que strippers ganham mais gorjeta quando estão no período fértil

Física – Os norte-americanos Dorian Raymer e Douglas Smith provaram matematicamente que grandes quantidades de cordas ou cabelos inevitavelmente se embaraçam

Literatura – O inglês David Sims com o estudo "Filho da mãe: Uma Exploração Narrativa da Experiência da Indignação dentro de Organizações"

Medicina – Os norte-americanos Dan Ariely, Rebecca L. Waber, Baba Shiv e Ziv Carmon (Singapura) mostraram que remédios falsos caros têm mai efeito que os remédios falsos baratos

Nutrição - Massimiliano Zampini (Itália) e Charles Spence (Reino Unido) eletronicamente modificaram o som de um salgadinho de batata para fazer a pessoa acreditar que o petisco é mais crocante e fresco do que realmente é

Paz - O Comitê Federal de Ética em Biotecnologia Não-Humana da Suíça e os cidadãos do país adotaram princípios legais de que plantas têm dignidade

Química – Prêmio dividido: Sheree Umpierre, Joseph Hill e Deborah Anderson (Estados Unidos) descobriram que a Coca-Cola tem efeito espermicida. C.Y. Hong, C.C. Shieh, P. Wu e B.N. Chiang (Taiwan) descobriram que a Coca-Cola não tem efeito espermicida

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Propaganda - Curso de Noções Básicas em Gestalt-Terapia

CURSO MINISTRADO PELO PSICÓLOGO, psicoterapeuta e gestal-terapeuta (dizer o último não implica nos dois anteriores? Ops, prometi que não ia tirar sarro...) Marcus Cézar Belmino.

Aproveitem que o professor é muito bom!



Tem gente muito chique...

Pra quem se interessar, tá dado o recado.

Ah, e ele aceita convites pra dar o curso aqui em Belém.

Inté,

A. N.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Não consegui pensar em um título que descreva minha surpresa...

OUQUEI, já vi fãs de algo. Já vi nerds quando são fãs de alguma coisa. Mas tem hora que a turma avacalha. Acanalha mesmo, sem tamanho, sem dó nem pena. Estou aqui abismado.

Notem: eu não tenho nada contra nerds. Sob muitos aspectos, me considero um - gosto de ficção científica, quadrinhos, videogame, rpg... Adorei Senhor dos Anéis (o filme, achei os livros um porre). Gostei muito de Harry Potter, tanto que os dois últimos livros eu comprei e li em inglês mesmo porque não quis esperar sair em português - uns quatro ou cinco meses era tempo demais.

Mas esses vídeos mostra o cúmulo da acanalhação. Vai gostar de Harry Potter assim... 









Como já dizia a Taís, esse mundo tá muito virado...

Inté,

A. N.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Anima Mundi

COMEÇOU ONTEM A NOITE O ANIMA MUNDI EM BELÉM, festival de animação que ocorre anualmente em várias cidades.

Exibido na Estação das Docas, traz esse ano a Belém 40 das melhores animações do festival em São Paulo e Rio. Fui assistir em 2005 e 2006, e posso dizer: vale muito a pena! Não vi ano passado porque, na época, eu estava em Fortaleza. E fiquei triste por não ter visto: ano passado passou o curta de Márcio Ramos, Vida Maria (veja o trailer abaixo... ainda quero conseguir esse curta! Ei, Marcinho, arruma pra mim! rs!)







O melhor do festival é que o ingresso de cada sessão pode ser comprado a um preço absurdamente caro de DOIS REAIS a sessão (E estudante paga meia!!!). Tanto é, que um blog chamado 100grana.com falou do ano passado: Anima Mundi estaciona em Belém para o deleite dos lisos... rs. A liseira agradece!

Os curtas tem estilos variados, desde os mais conceituais e de estética de vanguarda, até os mais simples e engraçados. Enfim, vale muito a pena ir prestigiar o evento. Estarei lá, pra ver tudo que puder!

A programação completa você pode conferir aí embaixo e no blog do Instituto de Artes do Pará. Depois, mais abaixo, algumas das sinopses que mais me chamaram a atenção...

Inté!!



LONGA METRAGEM

IDIOTS AND ANGELS (Idiotas e Anjos)

Diretor/Produtor: Bill Plympton (EUA, 2008, 1h18′, vídeo, cor, lápis sobre papel)

Angel, um homem egoísta e sem ética, acorda certa manhã com asas nas costas. Ele tenta desesperadamente se livrar delas, mas acaba tendo que lutar contra aqueles que vêem nas asas um caminho para o sucesso e a fortuna. (Sessão desaconselhável para menores de 16 anos). Sexta-feira, 20:30h; Domingo, 19h.


SESSÃO ANDREAS HYKADE

(sessão especial com vídeos do diretor alemão; Quinta, 17:30h; Sábado, 20:30h).

THE RUNT (O Nanico, Alemanha, 2006, 10′, vídeo, cor, lápis sobre papel)

“Está bem, eu te dou o nanico. Mas você cuida dele e em um ano mate-o”, disse meu tio.

THE BUNJIES (Alemanha, 2007, 4′, vídeo, cor, computador 3D)

Piloto para série de TV. Os Bunjies são a banda mais barulhenta de rock&roll do mundo. Todos querem ser fotografados com eles, mas eles só querem tocar rock e quebrar seus instrumentos na frente de cem mil fãs enlouquecidos…

WE LIVED IN GRASS (Vivíamos no Campo, Alemanha, 1995, 17′, vídeo, cor, acetato)

Enquanto os bons moços montavam tigres no campo, eu ia a pé.


SESSÃO JUAN PABLO ZARAMELLA

(Sessão especial com o diretor argentino. Sábado, 17:30h, e Domingo, 16h).

VIAJE A MARTE (Viagem a Marte, Argentina, 2004, 16′, vídeo, cor, massinha)

Antonio é um menino que quer viajar para Marte. A sorte é que seu avô sabe como chegar lá.

(OBS: Já vi esse curta em uma edição passada... é muito bom!!!)


SESSÃO CURTAS METRAGENS, 01

(Sex, 19h; Sab, 16h; Dom, 17:30h).

O JUMENTO SANTO E A CIDADE QUE SE ACABOU ANTES DE COMEÇAR

Diretor: William Paiva, Leo D. (Brasil, 2007, 11′, vídeo, cor, computador 2D & 3D)

Quando Deus resolve criar o mundo e as coisas não saem como planejado, o Jumento Limoeiro desce à Terra para dar um jeito na humanidade.

KJFG NO. 5

Diretor: Alexei Alexeev (Hungria, 2008, 1′, vídeo, cor, computador 2D)

Três músicos profissionais – o urso, o coelho e o lobo – estão praticando sua arte na floresta quando um caçador aparece… Vencedor do prêmio de melhor trilha sonora – Júri Profissional – Anima Mundi 2008.


SESSÃO CURTAS METRAGENS, 02

(Sessões: Qui, 19h; Sab, 19h; Dom, 20:30)


LA QUEUE DE LA SOURIS (O Conto de um Rato)

Diretor: Benjamin Renner (França, 2007, 4′, vídeo, cor, recortes)

Numa floresta, um leão captura um rato e ameaça comê-lo. Mas o rato propõe um acordo. Vencedor dos prêmios de Melhor Filme de Estudante – Júri Popular Rio de Janeiro e Prêmio dos diretores de Anima Mundi – Anima Mundi 2008.

JOHN AND KAREN

Diretor: Matthew Walker (Reino Unido, 2007, 3′, vídeo, cor, computador 3D)

O urso polar John pede desculpas ao pingüim Karen após uma discussão e depois bebe chá com biscoito.

BERNIE’S DOLL (A Boneca de Bernie)

Diretor: Yann Jouette (França, 2008, 11′, vídeo, p&b, computador 3D)

Bernie, o simples empregado de uma fábrica, tenta compensar sua solidão ao comprar um “kit mulher do terceiro mundo”.

OKTAPODI (Polvos)

Diretor: Julien Bocabeille, François Xavier Chanioux, Olivier Delabarre, Thierry Marchand, Quentin Marmier, Emud Mokhberi (França, 2007, 2′, vídeo, cor, computador 2D & 3D)

Dois polvos tentam fugir das garras de um chef de cozinha teimoso. Mas a briga dos polvos para permanecerem juntos ainda não acabou… Vencedor dos prêmios de Melhor Filme de Estudante – Júri Popular São Paulo.



terça-feira, 2 de setembro de 2008

Começou o Semestre.

VALHA-ME DEUS...


Agenda da semana

Bora lá...

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Chineses

Em épocas de Olimpíadas, todo mundo começa a falar nos chineses.

Lembrei do pan, onde descobrimos que é o badminton é um dos esportes mais populares do mundo, só perdendo pro futebol. Isso porque o badminton é um dos mais populares na China, e se é popular na China, é um dos mais populares do mundo.

A língua mais falada do mundo é o Mandarim. Não importa que você não conheça ninguém que saiba falar. É a língua mais falada na China, e logo, uma das mais faladas no mundo.

Algumas notícias da China:

Vaso cai de prédio e fere 27 em Pequim

A calçada de um prédio residencial em Pequim foi palco de um insólito acidente. Enquanto lavava sua varanda no sexto andar, Pin Yuan, artesão de 27 anos, derrubou um pequeno vaso de cerâmica contendo terra.

O vaso atingiu algumas pessoas e outras, em desespero, começaram a correr após o barulho, provocando quedas e esbarrões violentos. A polícia foi chamada e conteve a situação antes que atingisse maiores proporções. No tumulto, 27 pessoas ficaram levemente feridas e Pin Yuan foi obrigado a colocar uma tela de proteção em sua varanda para evitar novos acidentes.

http://www.abastodenoticias.com/noticias_curiosas.asp?pr=327



China inaugura banheiro público com mil sanitários

A China pretende entrar no Guinness como o país que tem o maior banheiro público do mundo, divulgou nesta sexta-feira a China Central Television. A construção, de quatro andares, tem mais de mil vasos sanitários e está localizada em uma área turística da cidade de Chongqing, no sudoeste do país.

O prédio do banheiro público tem uma fachada egípcia. Dentro, os usuários podem ouvir músicas suaves e até assistir a programas de TV. "Estamos espalhando a cultura do toalete", disse Lu Xiaoqing, autoridade local. "Depois de usarem o banheiro, as pessoas ficarão muito, muito felizes", complementou.

Alguns mictórios têm formas diferentes e bastante incomuns, como os que estão localizados dentro de uma "boca de crocodilo aberta". "Outros banheiros são sempre iguais. Este é muito especial. Eu nunca vi nada assim", disse um visitante ao canal de TV.


http://noticias.terra.com.br/popular/interna/0,,OI1741409-EI1141,00.html


E hoje meu irmão viu uma frase no orkut alheio que descreve muito bem tudo isso:

Se você é um em um milhão, há 1300 chineses iguais a você.


Vai ter gente assim, lá na... er... ok. Esquece.

Inté,

A. N.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Conversa de Criança (mais)

OLÁ TODOS.

As crianças são bem mais espertas que muita gente por aí. No site Cogumelo Louco, acham-se essas frases de crianças italianas rezando...

Vale a pena!

E dêem um pulo lá pelo site original...


Enviado por: Jhonatan Martins

"Querido Jesus, em vez de você fazer as pessoas morrerem e aí criar novas pessoas, por que você não fica com as que já tem?" (Marcello)

"Querido Jesus, a girafa você queria assim mesmo ou foi um acidente?" (Dante Mendonça)

"Querido Menino Jesus, todos os meus colegas da escola escrevem para o Papai Noel, mas eu não confio naquele lá. Prefiro você." (Sara)

"Querido Menino Jesus, obrigado pelo irmãozinho. Mas na verdade eu tinha rezado pra ganhar um cachorro." (Gianluca)

"Querido Jesus, por que você não está inventando nenhum animal novo nos últimos tempos? A gente vê sempre os mesmos." (Laura)

"Querido Jesus, por favor ponha um pouco mais de férias entre o Natal e a Páscoa. No meio, agora está sem nada." (Marco) [Nota: Acho que não iam falar esse no Brasil...]

"Querido Jesus, o padre Mário é seu amigo ou você conhece ele só do trabalho?" (Antonio)

"Querido Menino Jesus, por gentileza, mande-me um cachorrinho. Eu nunca pedi nada antes, pode conferir." (Bruno)

"Querido Jesus, talvez Caim e Abel não se matassem tanto se tivessem um quarto pra cada um. Com o meu irmão funciona." (Lorenzo)

"Querido Jesus, no Carnaval eu vou me fantasiar de diabo, você tem alguma coisa contra?" (Michela)

"Querido Jesus, eu gosto muito do padre-nosso. Você escreveu tudo de uma só vez, ou você teve que ficar apagando? Qualquer coisa que eu escrevo eu tenho que refazer um Monte de vezes." (Franco)

"Querido Jesus, você é invisível mesmo ou é só um truque?" (Giovanni)

"Querido Jesus, se não tivesse acontecido a extinção dos dinossauros, não ia ter lugar para nós, você fez muito bem." (Maurizio)

"Querido Jesus, nós estudamos na escola que Thomas Edison inventou a luz, mas no catecismo dizem que foi você. Pra mim, ele roubou a sua idéia." (Daria)

domingo, 10 de agosto de 2008

Matrícula nos Diferentes Cursos

ESSA SEMANA PASSADA FOI SEMANA DE MATRÍCULA DA UFPA, que deve estender-se até a semana que vem. Nas minhas andanças por lá, tive a oportunidade de ver como funciona a matrícula em dois cursos diferentes - Psicologia e Direito. Apesar de ser uma mesma instituição, e portanto as mesmas regras, achei legal reparar como cada faculdade, de acordo com suas possibilidades e especificidades, acaba tendo uma cara diferente que lembra a profissão...


No Direito, os alunos chegam no balcão, e preenchem um requerimento. Entregam a uma secretária, que devolve um comprovante para eles e diz: "Volte daqui a cinco dias para ver o resultado".

Na Psicologia, o aluno vai no dia marcado, espera do lado de fora da faculdade, e quando entra na sala, o coordenador dá um sorriso, aponta para uma cadeira e diz: "Senta aí do lado, me diz o que você quer fazer".


Imagino se na informática já é tudo feito pelo computador... e não quero saber como é na medicina.

Inté,

A. N.


sábado, 9 de agosto de 2008

Piada Interna

BELÉM É O ÚNICO LUGAR NO MUNDO, até onde sei, em que 9 de Janeiro fica entre 14 de Março e 14 de Abril.

Vai entender.

Inté,

A.N.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Frases inteligentes

MOMENTO DE SABEDORIA...

"TO DO IS TO BE"
- Nietzsche
"TO BE IS TO DO"
- Kant
"DO BE DO BE DO"
- Scooby

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Conversa de Criança (O Banco)

HOJE ESTAVA NO ACQUAVILLE, e o Leandro veio reclamar.

"Esse povo aqui do Acquaville ou é burro ou é doido..."
"Por que, Leandro?"
"Porque botaram um banco no meio da grama. E ali tem uma placa de proibido pisar na grama. Como é que eu vou chegar no banco? Voando?"


Quero ver quem diz que ele não tem razão.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

WALL-E

É RECORRENTE UM DEBATE COM MINHA NAMORADA SOBRE FILMES. Na discussão, ela acha que às vezes é bom um filme simplesmente divertido, onde você gaste um tempo para ver algo e achar legal. Eu normalmente defendo que o filme não deve ser apenas uma historinha divertida para passar o tempo. "Dizem" que o cinema é uma forma de arte, e como arte, a obra deve dizer algo, seja sobre uma idéia, seja sobre uma época ou apenas sobre o próprio artista. Quando a obra é realmente boa, ela também acaba dizendo algo sobre seu próprio observador/apreciador. E o melhor filme, eu argumento, é aquele que consegue fazer isso sem ser sobre isso. Filmes "advogados de causa" são documentários encenados. O bom filme é aquele que te faz pensar sem precisar pensar por você.

Não é fácil encontrar filmes assim no cinema tradicional americano (e é bem fácil encontrar filmes que pensam que são assim no cinema europeu e brasileiro). Mas as vezes encontramos. Com vontade de ir conhecer o cinema novo do "Belém Shopping" (Ex-Iguatemi), resolvi ir ver o filme novo da Pixar. Imaginei que ia ser muito divertido...




Veja aqui o trailer:



Wall-E é um filme fantástico. É desse tipo de filme que falo quando digo que um filme pode refletir sobre uma época, falar sobre algum tema sem soar panfletário (a maior parte do tempo, claro). Wall-E, o personagem (daqui por diante, vou chamar de Walle o personagem, e Wall-E o filme, para não confundir, ok?), nos faz pensar sobre o que está se fazendo nesse momento. A história do robozinho que fica na Terra sozinho para limpar um mundo afogado em lixo é uma reflexão fundamental sobre vários temas - desde a questão ambiental, o valor dado a objetos de consumo, até os relacionamentos interpessoais.

O espectador desatento pode passar batido sobre essas duas últimas questões. Mas Wall-E abusa muito bem das metáforas para criticar e refletir sobre o comportamento humano. Em uma cena, o robozinho acha uma caixinha de jóias, com um belíssimo anel de diamante dentro. Ele não tem dúvidas: joga o anel fora, e brinca com a caixa, muito mais interessante.

(pule esse parágrafo se não quiser saber spoilers sobre o filme)

Mais na frente, quando Walle viaja para a espaçonave onde os humanos estão refugiados, ele dá de cara com pessoas gordas e sedentárias, tão entrentidas com seus brinquedos tecnológicos e dedicadas a seguir a moda que sequer percebem uma pessoa com problemas na sua frente, ou olham para o lugar onde estão. Lá na nave, conhece um robozinho que, tentando realizar o que precisa, sofre para sair da linha e quabrar uma regra para seguir seu caminho.

(PODE VOLTAR A LER DAQUI)

Só marca bobeira quem acha que o filme trata-se de uma denúncia sobre o futuro, ou acha que trata-se de ficção científica. Bom, sim, é um filme de Ficção Científica, no sentido que se passa no futuro e seu personagem principal é um robô. Mas os temas do filme - o mundo sorterrado de lixo, o consumismo, a alienação do homem diante do mundo e do outro - são temas extremamente atuais. Os atos dos personagens que aparecem na terceira parte do filme, mais uma vez, são metáforas para as relações de hoje, onde pessoas entrentidas com seus brinquedos tecnológicos - que hoje talvez sejam laptops e ipods - acham estranho quando se permitem, pelo menos uma vez, tocar verdadeiramente uma nas outras.

Esteticamente, o filme é perfeito. Desde a paleta de cores, até os movimentos de câmera (sim! eles fazem isso em um filme de animação!) ao passo com o qual a história é contada é tudo muito bem feito.

Se eu pudesse falar mal de algo no filme (o que não me sinto 100% seguro para fazer), seria sobre o próprio personagem Walle. Veja só a carinha dele:

Sério... principalmente durante o começo do filme, mas em todo ele, eu olhava para o robozinho e tinha vontade de chorar. Acho que nunca numa animação conseguiram fazer um personagem tão expressivo quanto ele - e há de se lembrar que já fizeram animações em que o personagem tinha a cara do ator que faz sua voz. Wall-E, que por sinal não fala, só faz uma série de barulhinhos, interpreta muito melhor do que boa parte dos atores de Hollywood ou da Globo. Seu olhar caído, triste, transmite uma solidão que é difícil não se relacionar com ela. Junte isso a um bichinho curioso e muito, mas muito atrapalhado, e é lógico que eu achei ele minha cara. Como eu disse, é um filme que acaba falando não só de uma época, mas de seus espectadores (ou deste espectador específico) também.

O filme consegue falar de tudo isso em pouco mais de uma hora e meia de trapalhadas do robozinho, que se mete em muita confusão tentando ajudar todos que pode, de forma leve e divertida, sendo um excelente filme para ver com as crianças (que podem até achar o começo meio parado, mas vão se divertir bastante em sua última parte).

Para ser um filme complexo e falar de mais do que sua história, o filme não precisa ser chato. SEm Homem de Ferro, o grande industrial americano fica criando armas para destruir organizações terroristas que foram armadas por ele mesmo (alguém precisa que eu fale mais algo?). Depois de se divertir com explosões, sobra algo pra pensar.

Wall-E se destaca de outros filmes porque ele deixa mais do que um pensamento na cabeça. Mais do que um porque envolve várias coisas a se pensar. E mais do que um pensamento porque o fime se propõe a passar uma mensagem.

E, talvez mais importante, uma que vale a pena ser ouvida.

Inté,

A. N.

P.S: Juro que passo pelo menos umas duas semanas sem comentar mais de filmes... Só não prometo ficar calado depois de ver Cavaleiro das Trevas, que já estou esperando há um tempo, desde que disseram que o Coringa seria baseado no que aparece em a Piada Mortal. Embora o filme que eu mais esperava esse ano já tenha passado (Indiana Jones, meu herói de infância), ainda quero muito ver esse...

Chegamos na Quarta Mão!

ALÔ TODOS!

E chegamos à quarta mãozinha no contador1 Mais de mil acessos desde que o contador foi colocado, alguns meses atrás!

Obrigado aos meus ilustres visitantes, que devem ser uns 4 amigos, mas tudo bem! ;-)

O interessante é que, brincando menos com os quatro amigos, o blog tem sido acessado tanto do Brasil, quanto lido também em Portugal, com uma média de tempo no site suficiente para acreditar que ele REALMENTE é lido! Fora isso, com alguma surpresa o google analytics mostra o mapa abaixo:




Lógico, sei que algumas pessoas entram no Blog pelo google, às vezes procurando algo totalmente diferente daquilo que estão atrás (a página que as pessoas mais entram é "Desenvolvimento Sexual Infantil"... céus, eles não devem nem imaginar o que vão ler...). Mas fico imaginando, vendo os lugares de quem entra... Natal? Será a Foca? Recife... Manéu? Alguns cliques de Manaus... será que a _Maga (relocada do sul para o norte) ainda lê por aqui? Brunão, estás afastado do Já Fui Pirata, mas ainda dá seus pulos por aqui?

Agora, tem uns cantos que não conheço ninguém... Campo Grande? Cascavel, SC? Sete Lagos, MG? É a magia das internetes.

Os lugares de onde vem a maioria das pessoas, claro, é Belém (ganhando atualmente) e Fortaleza (os cearenses estão me esquecendo...).

Mas enfim, vamos nessa ainda escrevendo, às vezes algo interessante, às vezes algo um tanto patético... Mas, sempre, escrevendo...

Inté,

A. N.

terça-feira, 1 de julho de 2008

Na Natureza Selvagem

SEMPRE RI DOS MENINOS DO ALBERGUE, que vão acampar de quando em vez. E, ao voltar, falam de como, ao acampar, eles reconhecem o valor do chuveiro quente, do fogão de verdade fazendo macarrão (em vez do fogareiro pra fazer miojo), e do vaso sanitário com o papel higiênico do lado. Aí eles me olham e dizem "Netão, você precisa vir! te faz dar outro valor às coisas". E eu respondo: "Obrigado, já dou muito valor à minha cama quentinha. Não preciso ficar ao relento pra saber como é bom um teto".

Hoje, fiquei com a mesma sensação. Assim, só pra filar uma pipoca, comecei a ver com a Amanda o filme Na Natureza Selvagem (Into the Wild, 2007 - Notas sobre ele no IMDB e no Omelete). Como um bom filme, ele enche os olhos e faz pensar...

Aliás, antes de continuar, sugiro que vá ver o filme. Vale a pena. Mas aqui vai o gostinho dele...





Na história, um garoto rico decide partir para uma viagem pelo interior americano, rumando para longe de tudo e todos. Cansado da sociedade que busca sempre "coisas", apoiado no Walden de Thoureau, decide que não aceita mais a hipocrisia estabelecida por todos ao seu redor. Quebra seus cartões de crédito e identidade, dá suas economias pra caridade e queima o pouco dinheiro que lhe resta. Ao longo do caminho, em direção ao "Alasca Alasca" (em oposição ao "Alasca Civilizado, onde eles tem mercados"), vai conhecendo uma série de pessoas que o ajudam desde nascer até ficar sábio.

Se me permite um comentário que não faz juz à beleza do filme, o resultado desse caminho é bastante previsível. Quando se encontra sozinho, no momento em que já vive há meses no Alasca sozinho, ele reconhece que "A felicidade precisa ser compartilhada". Que a forma como sua história é contada ao longo do filme, não é marcada ou divida pelos lugares que conhece, ou as coisas que nunca fez e toma coragem para atingir. Ela corre a partir das vidas de pessoas que vão passando pelo seu caminho.

Não quero comentar demais o filme, pois vale muito a pena assistir. O filme é lindo, tanto em termos de mensagem quanto esteticamente. Mas saí dele com a mesma sensação da conversa dos meninos que voltam de acampar.

Ao longo desse semestre, discuti várias vezes com os alunos das minhas disciplinas um ponto que o Emmanuel fala sempre. Foi a partir de algumas mudanças na forma como as pessoas se relacionam no dia a dia que passamos a ver o homem como alguém independente do mundo ao redor. Sou único, um indivíduo, que sou diferente "dos outros". Tenho sentido por mim mesmo, independente do mundo e que estou, das pessoas ao meu redor.

E nisso, as pessoas começam a acreditar nessa história. E começam a pensar em termos de "eu", e não em termos de "nós". Um sociólogo chamado Richard Sennett fala sobre como deixamos de pensar no mundo público,e nos concentramos cada vez mais na vida pessoal. Tudo - inclusive as relações pessoais - servem para nos satisfazer. Meu trabalho tem que ser algo que me dê dinheiro (para comprar coisas), as coisas servem para me dar prazer, assim como as pessoas com quem me envolvo.

Mas pessoas não são coisas, nem são mercadorias para nos satisfazer (assumindo, por um momento, que mercadorias servem pra isso). E, ao pensar assim, o homem moderno perde de vista que viver junto a outras pessoas - pelo simples fato de estar junto - é algo que vale a pena. Que fazer a diferença na vida de alguém é tão fundamental quanto alguém fazer diferença da sua vida.

É esse o erro do personagem do filme. Achar que é na vida em contato com a natureza que será encontrada o que falta em sua vida. Ao encarar que suas relações familiares estão com problemas, ele resolve que nenhum tipo de relação serve. E perde de vista outras possíveis construções que vai deixando pelo caminho.

O filme vale a pena para lembrar de olhar para onde importa... Algum tempo morando aqui em Belém já me fez aprender a isso - com base, como o personagem do filme, com alguns livros que me ensinaram a explicar o que sentia graças a algumas pessoas próximas e outras tantas distantes - e não precisei nem ir para os recantos distantes e selvagens do país para reconhecer isso (turma de Fortal: sem piadas por eu morar na Amazônia, por favor...).

Talvez por isso eu tenha ficado com a mesma sensação vendo o filme de quando os albeguianos voltavam dos acampamentos. Não preciso da solidão para dar valor às pessoas que estão do meu lado. Não preciso da distãncia para reconhecer o valor da proximidade... e não preciso perder algo pra saber o valor de o ter.

Não sei por onde aprendi isso, e pensando agora, até talvez tenha sido em uma das distâncias que vivi... Mas acho que hoje já olho mais para o lado, sem precisar ficar olhando pra trás.

Enfim. Vá pra locadora. Veja o filme.

De preferência com alguém.

Inté,

A. N.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Yet another song

MAIS UMA MÚSICA...

Antes do Mundo Acabar
(biquini cavadão)
CD: Só quem sonha acordado vê o sol nascer

Antes que aconteça do mundo acabar
Vou aprender alguma coisa
Nunca é tarde pra quem já entende que a vida
Começa sempre depois de uma boa noite de sono
Onde tudo parece se reconstruir

Nunca é tarde pra te explicar o quer penso
Sobre as confusões dessa cidade
Minha história é bem descrita em fotos e versos
E o que eu cantei foi a verdade

Vivendo sobe luzes e sonhos
O mundo que eu conheço tem a minha cara
Meus gritos na chuva
Meus olhos já sabem que o mundo
Tem a minha cara

Invento e descubro respostas
Pois hoje a vida tem a minha cara
Metade completa do pouco que resta
Pra gente ainda viver

Antes que aconteça do mundo acabar
Vou aprender alguma coisa
Minha história é bem descrita em fotos e versos
E o que eu cantei foi a verdade

Vivendo entre luzes e sonhos
O mundo que eu conheço tem a minha cara
Meus gritos na chuva
Meus olhos já sabem que o mundo
Tem a minha cara

Invento e descubro respostas
Pois hoje a vida tem a minha cara
Metade completa do pouco que resta
Pra gente ainda viver

Serviço de (in)Utilidade pública

NUNCA LEIA BULAS DE REMÉDIOS.

São assustadoras.

nuffsaid.


A. N.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Solidão é sempre estranha

UM TEXTO MELANCÓLICO QUE DESENTERREI, cavucando no meu velho flog.

É interessante revisitar às vezes o passado, para ver que algumas coisas mudam, ainda que outras não...

Até,

A.N.


Solidão é sempre uma coisa estranha.

Não estou falando aqui daquela solidão de quem se sente só, mesmo em meio a uma grande roda de pessoas. Eu não sou desses – ou pelo menos, não cheguei ainda nesse ponto.

Lembro de uma vez que um grande amigo, por causa de uma mulher de quem ele não gostava, brigou com todos os amigos dele (Na verdade, ele gostava dela sim; o problema é que ele sabia que ela lhe fazia mais mal do que bem. E ainda assim gostava... mas isso é motivo para pensar outra hora). Chegou a um ponto em que ele percebeu o que fizera: quando encontrou um momento em que ele queria falar com alguém, qualquer pessoa – e não havia mais ninguém que o escutasse. Não importava a facilidade de que todos que você conhece estarem a sete números de distância (na época ainda eram sete). Não tinha ninguém ali.

Não é dessa solidão que estou falando. Essa não tem nada de estranho – ela é lógica, racional, podem-se reconhecer seus motivos. Ela é, isso sim, cruel, vergonhosa, muitas vezes até mesmo imoral. Mas não é estranha.

A solidão ao qual me refiro é aquela real, de quem está sozinho – em uma cidade, um apartamento ou em um quarto de hotel – com ninguém mais além dele mesmo para conversar. Lembrei-me que a Júlia me falou sobre uma comunidade no Orkut sobre as pessoas que moram sozinhas. Uma das perguntas mais interessantes era “você fala sozinho em casa?”

Quanto tempo demora para que nós precisemos escutar uma outra voz? Quando tempo leva até que seus ouvidos peçam – ou mesmo implorem – para escutar outra pessoa falando, mesmo que seja você mesmo? Nessas horas, você se vira para o telefone (apesar de os minutos promocionais disponíveis estarem acabando), se der pro interfone (quando você não é um dos produtos pós-modernos que desconhece o próprio vizinho, apesar de você não poder cantar no banheiro sem que ela saiba quando você desafina – e sim, esse exemplo poderia ser muito mais baixo, mas estou tentando manter algum nível aqui), ou – que Deus, Bin Laden e todos os (pseudo)intelectuais nos perdoem, a televisão. Talvez você possa até pensar que esse último está meio fora de lugar no raciocínio que eu estou seguindo, se ainda acreditar que eu estou seguindo um raciocínio qualquer. Mas ela é bem parecida com um grande número de pessoas que são tão chatas que não escutam o que você está tentando dizer.

Essa solidão é que é estranha. Estranha porque ela te força a querer escutar algo, porque você sabe que teria quem te escutasse – mas essas pessoas (e espero que você, como eu, possa falar no plural aqui) simplesmente estão inacessíveis. Diferente daquela primeira, onde procurar alguém te causa alguma coisa ruim, essa solidão de que estou falando não causa nada – simplesmente, nada.

Não me admira que, relativamente, o zero tenha demorado a aparecer na matemática. Nada, zero, coisa alguma – a solidão da qual estou falando – simplesmente foge a toda a nossa forma de raciocínio. Pensamos sempre em algo, sentimos algo, procuramos algo – encontramos algo.
Quando você não encontra nada... acho que a melhor palavra que se enquadra é essa mesmo.

É estranho.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Um dia vai ser sábado de noite...

ESSA MÚSICA JÁ É UM TANTO VELHA, da época em que comecei a escutar Bon Jovi... mas esses dias ela reapareceu em meu Ipod, e lembrei o quanto gostava dela (chegava a sempre ser a primeira a colocar quando trocava o som... adolescentes! :-)

Esses dias, ela novamente diz muito dos dias que estão passando.

Inté,

A. N.

P.S: O clipe não tem nada a ver não... só colquei porque isso é um blog - e eu posso! hehehe




SOMEDAY I'LL BE SATURDAY NIGHT
Bon Jovi


Hey, man Im alive Im takin each day and night at a time
Im feelin like a monday but someday Ill be saturday night

Hey, my name is jim, where did I go wrong
My lifes a bargain basement, all the good shits gone
I just cant hold a job, where do I belong
Im sleeping in my car, my dreams move on

My name is billy jean, my love was bought and sold
Im only sixteen, I feel a hundred years old
My foster daddy went, took my innocence away
The street life aint much better, but at least I get paid

And tuesday just might go my way
It cant get worse than yesterday
Thursdays, fridays aint been kind
But somehow Ill survive

Hey man Im alive Im takin each day and night at a time
Yeah Im down, but I know Ill get by
Hey hey hey hey, man gotta live my life
Like I aint got nothin but this roll of the dice
Im feelin like a monday, but someday Ill be saturday night

Now I cant say my name, and tell you where I am
I want to roll myself away, dont know if I can

I wish that I could be in some other time and place
With someone elses soul, someone elses face

Oh, tuesday just might go my way
It cant get worse than yesterday
Thursdays, fridays aint been kind
But somehow Ill survive

Hey, man Im alive Im takin each day and night at a time
Yeah Im down, but I know Ill get by
Hey hey hey hey, man gotta live my life
Im gonna pick up all the pieces and whats left of my pride
Im feelin like a monday, but someday Ill be saturday night

Saturday night here we go
Some day Ill be saturday night
Ill be back on my feet, Ill be doin alright
It may not be tomorrow baby, thats ok
I aint goin down, gonna find a way, hey hey hey

Hey man Im alive Im takin each day and night at a time
Yeah, Im down, but I know Ill get by
Hey hey hey hey, man, gotta live my life
Like I aint got nothin but this roll of the dice
Im feelin like a monday, but someday Ill be saturday night
Im feelin like a monday, but someday Ill be saturday night

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Greves

UNIVERSIDADE VAZIA, corredores fantasmas e salas de aula trancadas e escuras. Essa é a cara da UFPA nos últimos três dias. A multidão da vida universitária, contudo, desde a terça-feira está barrada graças a um evento que, como diriam na época áurea do Albergue, tomou proporções bombásticas.

Imagine uma cidade em que os ônibus pararam. Isso, uma greve de ônibus, e que está entrando no terceiro dia. Segundo os jornais, mais de um milhão de pessoas estão sendo prejudicadas. Andando com uma pretensa frota reduzida (que ainda não vi nas ruas), as pessoas levam até duas horas a mais para chegar ao trabalho, se chegarem.

As aulas estão, praticamente, suspensas. Ainda que a Universidade não declare oficialmente isso, desde terça só encontrei um dos meus alunos, e ele mora aqui perto... que se pode fazer? Aguardar, aguardar.

Nos jornais, as entrevistas são unânimes em afirmar que quem sofre com isso é a população mais pobre. Dependentes dos coletivos para chegar ao trabalho, as pessoas sofrem com vans e kombis lotadas e inflacionadas, que aproveitam-se do casos gerado pela falta de ônibus para ganhar em cima das pessoas.

Acho que a única greve que causa mais tanstornos que uma greve de ônibus é a greve de policiais. Uma greve de professores universitários, por exemplo, afeta apenas os alunos. Uma greve da saúde afeta quem precisa de postos de saúde público. Então, apesar de causar transtornos, seus efeitos não são visíveis a todos. Mas não importa quem seja, é afetado pela greve de ônibus: desde as pessoas que não têm como chegar ao trabalho, até a pessoa que precisava de uma dessas pessoas para conseguir um serviço. E as lojas fecham, correios páram, restaurantes não abrem.

O cruel de uma greve é que é exatamente isso que o grevista quer. O impacto e o transtorno são as armas da negociação. Ele aponta o dedo e mostra: nós somos necessários.

Ao mesmo tempo, do outro lado, faltam recursos para aceitar os termos do grevista. Não posso pagar seu aumento e melhorar a frota de ônibus, porque não há dinheiro em caixa pra isso - ou até há, mas se eu ceder pra você, precisarei ceder a todos os pedidos de todas as categorias, e isso não tenho como bancar... (uma nota necessária: não há recursos para isso, para o aumento das bolsas ou recuperação de hospitais e escolas do Estado; mas há recursos para o aumento da verba de gabinete e do paletó dos políticos... e somos chamados a questionar: MAIS HEIN?)

E nessa corda-bamba, que tem que ser resolvida, as coisas vão andando cada vez mais lentas, e mais de um milhão de pessoas sofre com uma greve de ônibus em Belém.

INTÉ,

A. N.

P.s:
Odeio os motoristas de ônibus de Belém. Parecendo que dirigem um caminhão de lixo, eles causam um caos no trânsito que não canso de me estressar e impressionar com as barbeiragens que eles fazem. Mas isso é para outro momento...

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Olha eu aqui de novo!

PELA MÃE DO GUARDA, já faz tempo que não escrevo aqui!

Essa vida de professor está me deixando meio doido. É comum eu ir dormir mais de meia noite estudando, preparando aulas e coisas do tipo. Sim, pois não é porque arrumei um emprego que larguei mão do doutorado... Assim, tente juntar um emprego de 40 horas semanais com uma atividade que suga sua vida até não conseguir mais... é, dá nisso!

Não que eu esteja escrevendo isso reclamando. Ando bem cansado, é verdade, mas é um cansado diferente... sabe aquela coisa de você ir jogar volei ou futebol - ou ir a um show - se diverte bastante, e volta pra casa sem conseguir fazer mais nada, mas feliz? É mais ou menos assim que ando. Lógico, ainda é melhor ir para um show, mas enfim...

Algum tempo atrás,falei sobre o que me mantinha "blogando". Na verdade, aquilo não mudou em nada... mas arrumar coragem para divagar aqui na tela do computador tem sido meio difícil...

Mas nem por isso o blog está mortinho. Vamos continuar firmes e fortes... já estou pegando gás de novo! :-)

Então, como diria um certo apresentador gordinho lá do Ceará (e que eu amo bastante, caso você já saiba de quem estou falando: FIQUE COM A GENTE.

Inté,

A. N.
(de volta!)

domingo, 30 de março de 2008

Falta do que fazer

UMA NOITE, um papo no msn, e duas figuras sem ter o que fazer... e eu juro que só ia dar um oi!

Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
boa noite
Linebeck diz:
boa noite
em que posso ajudá-lo?
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
eu gostaria de pedir uma pizza, metade peperone, metade à moda, com molho de tomate extra e sem cebola, por favor
Linebeck diz:
certo
são R$25,00
precisa de troco?
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
eu tenho o cupom de promoção... quanto fica mesmo?
Linebeck diz:
hum...
um momento...
sinto muito
a promoção encerrou ontem
mas se você pedir um refrigerante
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
isso é um absurdo!!! aqui no cupom diz que a validade é abril...
Linebeck diz:
abonamos a taxa de entrega
pode ser?
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
hm
qualquer refrigerante?
Linebeck diz:
sim
se tivermos
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
então mande um guaraná jesus, por favor
Linebeck diz:
infelizmente esse não consta no nosso estoque
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
como assim? que pizzaria no maranhão não tem guaraná jesus???
Linebeck diz:
somos uma pizzaria atéia
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
tudo bem. mande uma coca cola mesmo...
Linebeck diz:
certo
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
vocÊS já tem meu cadastro, certo?
Linebeck diz:
com certeza!
Sr. Quase Doutor Aecio Borba Neto?
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
correto
Vasconcelos Neto, por favor
Linebeck diz:
morador do [CENSURADO PORQUE ISSO AQUI É UM BLOG]?
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
isso
Linebeck diz:
desculpa... vou corrigir
ok
pode aguardar
Aécio Neto - Uma Questão de Método diz:
então é apenas isso... obrigado e boa noite
Linebeck diz:
são 30 min de espera
boa noite e obrigada por comprar conosco
tum tum tum tum tum


Eu hein...

Inté,

A. N.

sábado, 29 de março de 2008

Rir para Não Chorar

EU QUERIA CHAMAR ESSA HISTORINHA DE PIADA, mas infelizmente não é...

Contada pelo Christian, em um momento de rir da própria desgraça enquanto ia embora uma pizza no supermercado...

Aí o cara procurou um amigo deputado federal, para arranjar emprego público para o filho que acabara de completar 18 anos.

- Ah, rapaz, não é problema não. Posso arranjar pra ele um cargo de assessor. Ele trabalha aqui dois dias por semana, de manhã até a noite, quando eu estiver em Brasília. O salário é de sete mil reais.

- Não, cara, dá certo isso não, vai estragar o menino... trabalhar pouco assim e ganhar tudo isso? Não, não. Não tem um emprego que ganhe menos e trabalhe mais?

- Tem sim... posso nomear ele como assessor para assuntos especiais. Aí ele tem que trabalhar três dias por semana, mas só meio período, e ganha por volta de cinco mil reais.

- Não, não, ainda é muito! Ele vai ser preguiçoso o resto da vida! Algo que ganhe menos e trabalhe mais, tem?

- Bom, posso nomear ele secretário. Não é muito bom não, até porque prefiro uma loira bonitona, mas pra ti eu posso fazer isso. Aí ele tem que trabalhar de segunda a sexta, de nove da manhã às três, e ganha 3000 reais. Eu sei que é trabalhar muito, mas ainda tem a pausa do almoço...

- Trabalhar muito? Isso é metade da carga horária normal! Não tem como indicar ele pra um trabalho de todos os dias de sete da manhã até o fim da tarde, e de vez em quando ainda tenha que levar serviço pra casa, e ainda de vez em quando trabalhar no fim de semana, e ganhar no máximo uns dois mil reais?

- Rapaz, até tem, mas o menino não vai poder não, que aí ele tem que fazer uma graduação, mestrado e doutorado pra poder ser professor...


Ria, se puder. Eu não consigo.

Inté,

A. N.
(trabalhando desde cedo)

domingo, 23 de março de 2008

Loja de Conveniência

JÁ FAZ UM TEMPO QUE VENHO PENSANDO EM LOJAS DE CONVENIÊNCIA. O termo é excelente: uma loja que possui produtos que são convenientes. E, normalmente, para comprar em momentos inconvenientes.

Hoje, feriadão e tal, fiquei morrendo de inveja porque a Roberta disse que iam ela e a Luciana fazer lasanha pro almoço de hoje. Quando olhei minhas possibilidades na geladeira (e, é preciso dizer, na carteira), pensei: Ah, uma lasanha. Como pra variar já estava começando a ficar com fome, e na hora não tinha coragem de só comprar os ingredientes, pensei logo naquela lasanha quatro queijos Sadia borbulhando. Nham (tô com água na boca até agora escrevendo). Bora atrás de uma.

Falei que era feriado, né? Domingo de Páscoa, e tal. Esqueci do fato de que é feriado, apesar de ser domingo. TODOS os supermercados fechados, até os 24 horas. Rodei em uns 4, todos com cones impedindo a entrada... Minha lasanha? Já era...

Depois de um almoço bacaninha (acabei fazendo uma macarronada de atum), fiquei doido por chocolate. Permitam um dia de folga para comer chocolate, afinal é páscoa e não ganhei chocolate de ninguém. É aí que entra a história da Loja de Conveniência.

Primeira coisa: lojas de conveniência só são convenientes em situações como hoje, quando tudo está fechado, ou de madrugada (aliás, ponto um: lojas de conveniência que só estão abertas no horário comercial são incovenientes). Sejamos sinceros: se existem supermercados abertos, lojas de conveniência são um abuso, com preços que só são interessantes pra quem simplesmente está aproveitando a parada em um posto de gasolina. Uma coca de 600 sai pelo preço de uma dois litros. Fala sério...

Segundo, eu acho muito engraçado os produtos que as lojas de conveniência têm. Tem coisas que são extremamente convenientes. Outras, nem tanto. Mas existem coisas que são essenciais:

1) Lanches. Pra quem vem com fome, é necessário ter um biscoito, batata ruffles, um picolé. As últimas que reparei todas tinham miojo e cup nuddles (seja lá como se escreva isso). Isso é interessante por si só. Mas nas últimas duas que fui tinham algo que tem que ser institucionalizado para todas: ambas, do lado do miojo, tinham um microondas. Se a turma tiver um refratáriozinho pra emprestar, nada mais conveniente. Você vai na loja, pode até não ter gás em casa, mas come algum bagulho. Excelente.
Nota: não faz sentido ter outras comidas. Minha lasanha? Se quiser, vá antes em um supermercado e compre. Nada de resolver comer lasanha na volta da farra de noite.

2) Bebidas. Além da coca e assemelhados, um suquinho vai bem. E, se só tiver Indaiá (no CE) ou Fly (aqui), faça o favor de estar bem geladinho. Aquelas geladeiras ridículas não conseguem lá fazer isso com muita facilidade, mas enfim.

Mas, além disso, é claro que são necessárias bebidas alcólicas. Cerveja, com certeza. Pode ter umas vodkas e afins. Tudo bem se a mais chique foi a Smirnoff e Orloff; se quer beber Absolut, vai comprar cedo. Outras coisas pode ter: Um teacher's e outros uísques baratos, campari (sim, tem gente que bebe esse troço... ele não serve só pra pintar a roupa, como aquela péssima propaganda faz parecer), aqueles vinhos de 5 litros (quer vinho que preste? vá numa adega). E claro, o essencial: GELO.

3) Pilhas. Nada mais chato que o controle remoto que pára no meio da noite. Se vc tiver coragem de ir comprar, claro.

4) Camisinhas. Lembrar que você não tem pode ser extremamente incoveniente, em especial se você só lembra na hora conveniente para usá-las. Passe no caminho, não deixe pra depois.

5) Papel higiênico. Muito embora, se você não lembrou de comprar antes, provavelmente vai ter que se virar antes de ir comprar quando precisar. Mas quando ele acaba, poucas situações podem ser tão incovenientes (talvez se você estivesse voltando para casa já tendo passado na loja de conveniência por causa do item 4. Aí, como diria o Gato de Botas, você está f...)

6) Chocolates, bom bons e coisas afins. Só porque eu queria hoje, e é por isso que estava pensando em lojas de conveniência...

Inté,

A. N.
(Convenientemente escrevendo quando deveria estar trabalhando... mas há de se descansar em alguma hora).

sexta-feira, 21 de março de 2008

Arte & Papel

SER HUMANO É UM BICHO MUITO DANADO, já dizia o Cafifa. Uma exposição no Hirshorn Modern Art Gallery, em Washignton D.C., onde a regra era que a obra poderia ser feita apenas com uma folha de papel. Vejam só alguns dos resultados...

Dica do Barbie.

Inté,

A. N.